Comentários e Notas: IMPACT x NJPW Multiverse United – Only The STRONG Survive

No último dia 30 de março, a IMPACT Wrestling e a NJPW realizaram mais um evento em conjunto, o Multiverse United – Only The STRONG Survive. Em uma noite de ação, o evento apresentou 9 combates de qualidade… mas será que foram mesmo ? Bem-vindos a mais uma edição do Comentários e Notas, o quadro onde avaliamos as lutas dos principais eventos das principais empresas atualmente no pro-wrestling.

Antes de começarmos, deixa eu dar um recado importante: O sistema de notas NÃO reflete sobre o que essas lutas aqui foram se comparadas com outras. Explicando melhor, não é porque uma luta aqui é nota 10 que ela se compara com lutas que foram 5 estrelas, nada disso, porém, pro padrão que o evento se propôs a apresentar, ela foi nota 10, deu pra entender direitinho ? Sem mais delongas, bora lá:

Gabriel Kidd vs. Yuya Uemura

Eu reclamo muito de quando o pre show de um evento tem muitos vídeos e poucas lutas em si, mas a IMPACT foi muito inteligente. Como o evento foi um dia depois do show semanal, eles simplesmente usaram o show semanal como preparação pro evento e aqui colocaram uma luta pra deixar o pre show curto. Falando da luta em si, foi bem básica e não precisava ser mais do que isso. São dois lutadores ainda considerados “young lions” dentro da empresa e em evolução, sem contar que o foco dessa luta aqui foi nos problemas de transmissão que a FITE sempre consegue apresentar.

Vencedor: Yuya Uemura – Nota: 5,5/10

Scramble Match

Eu não sei o que exatamente eu esperava desse combate aqui, mas eu definitivamente esperava mais. Eles seguiram a fórmula das Scramble Matches que vemos na GCW e em outras indys por aí, onde sempre temos muitos golpes básicos acontecendo e nada de muito interessante. É bom ressaltar também que 7 minutos pra uma luta com tanta gente talentosa é um desperdício, então podemos dizer que eles foram prejudicados pelo tempo também. A vitória do Trey pra manter o cinturão era o resultado óbvio, mas ainda assim a luta deixou muito a desejar pelo que ela minimamente prometia.

Vencedor: Trey Miguel – Nota: 6/10

Eddie Edwards e cia vs. Fre Rosser e cia

Sabe aquela luta cheia de gente onde absolutamente ninguém se destaca ? Pois é, essa aqui foi uma delas. Antes do combate tivemos uma promo do Joe Hendry e, embora eu goste dele, a promo foi muito estranha. O combate em si foi muito estranho, tanto é que tivemos Hendry e Callihan trocando de lado durante o combate e nesse momento eu cogitei ir pegar um lanche e voltar só no final, mas continuei. O último ponto de destaque pra mim foi a troca de golpes entre PCO e Kratos, mas nada tão grandioso também. Talvez Alex Coughlin também seja um destaque, mas não é o tipo de luta onde ele brilha.

Vencedores: Alex Coughlin, Callihan, Fred Rosser e PCO – Nota: 5,5/10

Jeff Cobb vs. Moose

É sempre muito bom acompanhar lutas onde os dois participantes são extremamente fortes e ainda conseguem fazer outras coisas legais, mas essa luta aqui absolutamente poderia ter sido muito mais. Tivemos os usuais feitos de força por parte do Cobb e o Moose sempre impressiona com o quão atlético ele consegue ser, o problema é que em momento algum as empresas pintaram essa luta como se ela fosse gerar alguma coisa boa. Era uma luta feita unicamente pra ocupar espaço no card e não tinha nada de muito grande envolvido, poderia ser algo grandioso com algum cinturão no meio ou até mesmo valendo chance por alguma coisa, mas não teve nada disso.

Vencedor: Jeff Cobb – Nota: 6/10

Deonna Purrazzo vs. Gisele Shaw vs. Masha Slamovich vs. Miyu Yamashita

Você acabou de ver ali em cima que a luta contou com 4 participantes, mas não foram as 4 que tiveram destaque. Yamashita praticamente não teve chance de mostrar seu talento e a Shaw era claramente a com menos chances de vitória, então o combate foi especificamente Deonna vs. Masha. As 4 lutadoras se esforçaram e transformaram isso aqui em uma 4-Way Match não esquecível, mas ainda foi um tanto quanto fraca pois nem todas elas estão acostumadas com lutas envolvendo tantas pessoas. A luta, que seria só uma 4-Way normal, ainda foi modificada e a vencedora recebeu uma chance ao Knockouts Title, já que Mickie James acabou sofrendo sua lesão.

Vencedora: Deonna Purrazzo – Nota: 6,5/10

Aussie Open vs. Bullet Club vs. MCMG vs. TMDK

Quando você adiciona grandes duplas em um combate, você tem que se esforçar muito pra que essa luta acabe sendo ruim e, para a nossa sorte, eles não se esforçaram pra isso. Foi a primeira luta realmente boa do evento e eu já destaco aqui a Aussie Open que, neste combate em específico, deram show. Gostei das participações de Ace Austin/Chris Bey e de Bad Dude Tito/Shane Haste, além de destacar também os Motor City Machine Guns que podem tirar lutas boas até de peixes. Poderia ser melhor até mesmo se não tivesse a TMDK, mas a boa química entre as duplas tornou essa luta bem agradável de assistir.

Vencedores: Ace Austin e Chris Bey – Nota: 7/10

KUSHIDA vs. Lio Rush

O primeiro plano era que Josh Alexander defendesse seu IMPACT World Championship contra KUSHIDA aqui, mas ele acabou se lesionando e Lio Rush assumiu seu lugar o combate, agora já sem valer um cinturão. Os dois tem estilos diferentes de combate e cada um vem de jornadas diferentes dentro da NJPW, mas eles conseguiram combinar bem seus golpes e trouxeram uma boa luta para o evento. É claro que a diferença de estilos ainda assim limitou um pouco a qualidade da luta, mas continuou sendo bem boa. A jornada do KUSHIDA em seu retorno para a NJPW é no mínimo estranha, então ter uma vitória aqui antes de competir no Rebellion foi importante pra ele.

Vencedor: KUSHIDA – Nota: 7/10

KENTA vs. Minoru Suzuki

Acredito que eu já deva ter mencionado em algum momento o quanto eu gosto do KENTA e do Minoru Suzuki, mas existem lutas que simplesmente não precisavam acontecer. Não que a luta tenha sido horrorosa, mas uma luta ser mediana entre esses dois e ainda valendo um cinturão é bem triste. O estilo deles simplesmente não combinou nesse combate aqui, parecia até mesmo que os dois lutadores estavam com preguiça de fazer o combate acontecer, sabe ? Se você é uma pessoa que não conhece o que é o verdadeiro Strong Style, talvez você fique impressionado com isso aqui e até goste, mas eu só fiquei bem decepcionado mesmo, infelizmente.

Vencedor: KENTA – Nota: 5,5/10

Hiroshi Tanahashi vs. “Speedball” Mike Bailey

E pra fechar o show, tivemos pelo menos uma nova coisa boa. Assim como a luta que deveria acontecer entre Alexander e KUSHIDA, o plano original aqui era que tivéssemos Bailey vs. Will Ospreay, mas o Ospreay acabou se lesionando e Tanahashi veio no lugar. O “Ace” já está mais velho e você consegue ver isso claramente pela velocidade e a fluidez dos golpes dele, mas assim é muito incrível ver esse cara em ação. Bailey também foi muito bem e soube ajudar o Tanahashi durante o combate, tirando um pouco da atenção que ia unicamente para o japonês. Não acredito que a derrota tenha ferido o Bailey, sem contar que ele tinha vários eventos na semana da WrestleMania e precisava sair por baixo em alguns combates.

Vencedor: Hiroshi Tanahashi – Nota: 7,5/10


Na minha visão, a nota geral do evento foi 6,5. Eu não sei como você pensa, mas eu imagino que vai ser um baita evento quando você me fala que IMPACT Wrestling e NJPW vão trabalhar juntas pra isso. Tirando duas ou três lutas, o show é tranquilamente um dos especiais mais esquecíveis dos últimos meses, e olha que a concorrência é com eventos da NWA que pouca gente assiste.

Concorda ou não ? Coloca sua opinião aí nos comentários e bora discutir saudavelmente, belezinha ? Até mais!

ABRIR COMENTÁRIOS