Mauro Ranallo comenta se voltará ao pro-wrestling

Três anos atrás, Mauro Ranallo se afastou da equipe de comentaristas da WWE devido a problemas de saúde mental, mas voltou alguns meses depois. Ele se tornou o melhor narrador do NXT e manteve esse papel até agosto deste ano, quando Ranallo deixou a WWE.

Ranallo foi questionado se estar nesta fase da sua vida tornou a decisão de deixar a WWE mais fácil quando se juntou a John Pollock do POST Wrestling.

“Fiz 50 anos no ano passado. Não gosto de números; sinto que tenho 25 e ajo como se tivesse 15. Sou uma velha alma, um espírito jovem e sou mais sábio agora. É verdade o que eles dizem – nós sempre nos rebelamos contra nossos pais e figuras de autoridade. Mas com a idade vem a sabedoria, o crescimento e, com sorte, a maturidade. Sou eu que estou em paz com minha decisão. Muitas, muitas pessoas de quem gosto não estavam. Mas direi, meu círculo íntimo, eles estavam esperando por isso. Eles viram e sabiam que minha energia estava baixa”, revelou Ranallo.

Ele acrescentou que nunca pensou que chegaria à WWE e estava contente em narrar lutas da NJPW. Mas ele se sente abençoado por ter essa experiência na WWE, e ele não se vê deixando seu cargo atual na Showtime.

“Nenhum lugar é perfeito. Em nenhum lugar. Mas eu sei com o que posso lidar, e tenho que ter prioridades e minha própria hierarquia. Na hora do show, serei leal até dar meu último suspiro”, afirmou Ranallo.

Assim como os lutadores às vezes se afastam do ringue e depois voltam, o mesmo pode ser dito para os locutores que podem deixar o negócio por anos antes de voltar. Os exemplos incluem Tony Schiavone e Jonathan Coachman, e Ranallo foi questionado se ele voltaria ao pro-wrestling.

“Nunca vou voltar ao que eu estava fazendo. Não precisa. Eu me esforcei para me tornar a primeira pessoa a narrar MMA, boxe, luta livre profissional e kickboxing nas principais redes de TV da América. Sonho realizado! Eu fiz tudo, e fui além de tudo que pensei que poderia fazer, especialmente vivendo com transtorno bipolar”, disse Ranallo.

“Vou voltar ao wrestling profissional? Definitivamente tem que ser nos meus termos. Não sou uma prima donna nem nada, mas preciso trabalhar com pessoas que me respeitem, confiem em mim e sigam os meus níveis de experiência. Sou tão fácil de trabalhar quanto qualquer outra pessoa, mas, nesta fase da minha vida, preciso estar feliz e confortável. O wrestling profissional, na melhor das hipóteses, é desgastante para sua saúde mental e é apenas a natureza do negócio.”

ABRIR COMENTÁRIOS