Vince McMahon renuncia ao cargo de presidente executivo da TKO

Acusado de tráfico sexual, abuso sexual e muito mais, Vince McMahon está fora da TKO Group Holdings, empresa controladora da WWE e do UFC.

“Mantenho minha declaração anterior de que o processo da Sra. Grant está repleto de mentiras, casos obscenos inventados que nunca ocorreram e é uma distorção vingativa da verdade”, disse McMahon esta noite. “Pretendo defender-me vigorosamente contra estas acusações infundadas e espero limpar o meu nome”.

“No entanto, por respeito ao Universo WWE, ao extraordinário negócio da TKO e aos seus membros do conselho e acionistas, parceiros e constituintes, e a todos os funcionários e Superstars que ajudaram a tornar a WWE na líder global que é hoje, decidi renunciar à minha presidência executiva e ao conselho de administração da TKO, com efeito imediato”, acrescentou McMahon.

A saída abrupta vem após o processo chocante da ex-funcionária da WWE Janel Grant em 25 de janeiro. Um porta-voz de McMahon na quinta-feira chamou o processo de Grant de “repleto de mentiras” e disse que seu cliente iria contestá-lo no tribunal.

Embora repentina, a queda de McMahon de sua posição em meio às alegações de abuso sexual seguem sua demissão em 2022 da WWE que ele co-fundou devido a “suposta má conduta executiva”. Essa má conduta, que contou também com uma acusação contra o chefe de relações com talentos da WWE, John Laurinaitis, ocorreu quando dezenas de pagamentos multimilionários a ex-funcionárias e outros foram tornados públicos.

Uma dessas revelações incluiu um pagamento de US$ 3 milhões para uma mulher com quem McMahon teve um caso. Em sua reclamação, Grant diz que McMahon concordou em pagar-lhe US$ 3 milhões em 2022 para manter seu relacionamento em segredo se ela assinasse um NDA. Grant diz que assinou o NDA na época, mas diz que só recebeu US$ 1 milhão de McMahon até agora.

Nomeado como réu no processo de Grant, Laurinaitis deixou a WWE em 2022. Embora tenha sido expulso da empresa pelo conselho da WWE no início de 2022, McMahon retornou pouco depois, instalou um novo conselho e concluiu a venda da WWE para a Endeavor e a formação da TKO no ano passado. Em seu processo, Grant refere-se à investigação interna sobre as reivindicações contra McMahon como uma “farsa”.

Este último processo contra McMahon foi aberto pouco mais de 48 horas depois de ter sido anunciado que a TKO havia feito um acordo de 10 anos e US$ 5 bilhões com a Netflix para que o Monday Night RAW fosse transmitido pela empresa de streaming.

ABRIR COMENTÁRIOS